po(e)st(ma)s

nada de mais. por mais pretensioso que isso possa parecer...

9.1.06

“arte também é isso”

juntando cacos de
subterfúgios

achei todas as
pistas falsas
esquecidas
pelo caminho

sobre textos
entre tramas
meta sentidos

palavras tratadas
a perder de vista
para perder à vista
tudo que não seja
estritamente indispensável
à nossa essencial
falta de significado

toda a fachada
do poema
é ameaçada
a cada leitura

toda a precária
arquitetura
equilibrada
apenas
em fé artística
(tão legítima
quanto qualquer
outra desculpa)

a qualquer momento
pode desmoronar
e os escombros
escolherão para si mesmos
novos e traiçoeiros
sentidos