po(e)st(ma)s

nada de mais. por mais pretensioso que isso possa parecer...

31.12.05

“morte = passagem”

(pra tiago)




como bilhete de viagem
te escreveria o meu desejo
de poder ver as coisas
como elas são

mas quase nunca há tempo
para preparar a bagagem

suspendem-se as despedidas
e tudo se resume ao luto
pela vida que poderia ter sido
mas nunca será

nesse momento
me afasto das roupas negras
e peço fundo
que a mudança da estrada
não ralente teu passo

que te recepcionem
meus amigos queridos

aqueles que também já se foram

podem puxar conversa
falando de mim