po(e)st(ma)s

nada de mais. por mais pretensioso que isso possa parecer...

27.10.05

“poemeto romântico”

em matéria
de amor

quem procura
é achado

18.10.05

“poema do aniversário”

essa data
é pretensiosa

tem o olho
maior que a barriga
e
acaba sempre
com indigestão

pelo menos
o brigadeiro
compensa...

17.10.05

“pós-niilismo”

tudo o que já foi
escrito
nega a força de minhas
palavras
por sua própria
força

tudo o que já foi
escrito
apaga as minhas
palavras
e me desautoriza

nunca leio nada

do que escrevo
do que já foi escrito

não importa
tudo
o que já foi escrito
nem o que ainda será

muito menos
importa
o que eu escrevo

calo à força
as palavras escritas
amarro
os livros fechados
e deixo a porta
aberta

viver é preciso
escrever não é preciso
mas é precisamente
disso
que eu preciso